quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

quando eu preciso de paz!


Sempre sentido saudade, sentido falta de quem gosta dos meus cabelos enrolados e do meu guarda chuva no sol e ainda olha pra mim e diz: "tu parece uma estrangeira", que passa calor comigo sentado na grama tomando água com gás. Que me dá toque de madrugada e eu retribuo com uma mensagem simples e clara: Quando eu preciso de paz! Que lê meus desabafos de pessoas que sequer viu na vida mas me entende o suficiente pra imaginar o quanto isso me incomoda por ser tão diferente assim. E então talvez seja minha hora de parar e pensar se era mesmo necessário ir assim tão longe em pouco tempo. Então eu volto pra casa e procuro a minha paz, me esperando, sempre me esperando com um: "Oi Enza" ou me sumpreendendo com um: " se vc me disser que está bem eu calo a boca". Sempre com aquela preocupação de irmão, com aquela calma de alguém que sabe exatamente o que te falar. Com aquele olhar de mais novo que eu já não vejo mais a tanto tempo, a uma enternidade. Com aquele abraço de despedida tão sofrido eu trouxe comigo aquela saudade, com a música "De Fé" tocando dentro de mim, com aquele aperto que não saía do peito até que eu dissesse e adimitisse pra mim mesma e pra ti que agora é sempre com você quando eu preciso de paz!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

bem pra caralho!


Numa segunda feira ter ânimo de escrever é raro. Assim como minhas alegrias repentinas, meus álcools em plena a uma hora da tarde, como meu celular tocando, como eu usando óculos nas férias e outras coisas não citáveis. Depois de quanto tempo escutar um Pink Floyd acompanhada no meu quarto eu completaria com: "trás alguém pro meu sozinho, você a 1:30". Nada de apego, nada de bronzeados, nada de muito cabelo, só um pouco. Ainda mais eu que tenho sina por cabelos estou aqui implorando para que os meus cresçam, para que fiquem laranjados :)
O ano mal começou e eu já desejando 2011. Vendo as coisas passarem e acontecerem sem mim e um certo setor que eu já não me sentia a vontade a algum tempo, talvez por falta de afinidade ou por ter em mente outras vontades e objetivos. Eu me sinto bem pra caralho! Sozinha sempre fui, sempre tive minha individualidade, minha música, meus cafezinho na mão com uma xícara que fui presenteada :) reconheço valores e atitudes das pessoas que mudariam esse momento agora. Mas como todo o ser humano eu também tenho meu orgulho e minha dignidade. Uma vez me achava egoísta demais, individualista demais, agora já vejo o quanto isso é insignificante perto de certas coisas que acontecem e que poderia ter passado sem ter acontecido. Falar é muito fácil não é? Eo passado sempre vem a tona, se não foi acabado por dentor e por fora. Necessito escrever e não tenho tempo. Me pego escrevendo por etapas. Salvando, editando.. por falta de tempo. Logo eu que nunca sabia o que fazer com tanto tempo e acabava sempre durmindo demais.


'Agora não...ainda é cedo pra entender vou sair do ar um tempo. Na contramão do que está por acontecer vou respirar com paciência'